As Marcas do Cristo I

A história de Martinho Lutero revisitada por Hermínio C. de Miranda:
 "Carregar as marcas do Cristo não é muito fácil; esses sinais testam os discípulos e os capacitam aos serviços do Evangelho. Comparemos o ferro, em seu estado primitivo aos aparelhos de alta precisão na engenharia, na Medicina, na Astronomia: quanta distância, quantos reveses, quantas opressões, quantas dores! Do homem selvagem para o cristão a distância é muito maior, e necessário se faz que, na viagem de um para o outro, sejam conquistadas as marcas do Cristo que erguem no espírito as muralhas de defesa contra todas as investidas do mal que surgirem no caminho a peslustrar.
 Paulo, o desbravador das matas humanas, não conquistou os sinais do Mestre apenas na existência coo Apóstolo, nos seus trinta e tantos anos de labores cristãos.Certamente já havia ele reencarnado muitas outras vezes, na corrida pelo aperfeiçoamento espiritual, qual o minério de ferro, até se transformar em instrumento de utilidade. Fora desse tempo das adaptações, da maturidade, do preparo, ser-nos-á difícil, senão impossível, conhecer a Paulo nas hostes do Cristianismo, porque nem a natureza material, nem a espiritual dá saltos. Na criação, tudo - desde o primitivo aos anjos - obedece ao planejamento predeterminado pela Mente Divina, em sequências ultra-sensíveis, escapando a nós outros as particularidades."
Para fazer o download do livro 'As Marcas do Cristo I'


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A progressividade da doutrina espírita I

   Em vária ocasiões Allan Kardec afirma pela necessidade da doutrina espírita tornar-se objeto de processos progressivos.     Entendend...